Título: Como Ser Solteira
Autora: Liz Tuccillo
Ano: 2010
Número de Páginas: 434
Editora: Galera Record


Sinopse: Depois de alguns drinques e uma péssima noite com as amigas, Julie Jenson chega à conclusão de que ela e as amigas estão fazendo algo errado. Por que eles sempre se desapontam os relacionamentos e não conseguem encontrar um único homem legal? Num rompante, Julie pede demissão e pega a estrada. De Paris ao Rio e a Sidney, Bali, Pequim, ela viaja pelo mundo para descobrir se alguém tem uma maneira melhor de lidar com a solteirice. Julie se apaixona, tem o coração partido, conhece o mundo e aprende mais do que achava possível em uma viagem.

Minha Opinião: Eu, casada há 5 anos, nunca poderia imaginar que teria em mãos a responsabilidade de ler um livro com esse título. Agora imaginem meu marido abrindo o pacote dos Correios e dando de cara com um livro chamado "Como Ser Solteira"? Imaginem a cara dele! =P
Devo dizer que, casada sim, mas o que tem de mais pensar na época da solteirice? Com Julie e suas amigas é impossível não deixar de reviver os tempos que passaram.

A personagem principal da história é Julie, mas tanto ela quanto suas 4 amigas são responsáveis por transformar esse livro estilo Chick-Lit em um verdadeiro turbilhão de emoções.
Juntas ou muitas vezes separadas, essas 5 amigas me fizeram parar pra pensar em como é diferente a cultura entre os países, principalmente quando o assunto é ser solteira e livre para qualquer diversão.

Julie tem 38 anos, trabalha como assessora de imprensa de uma editora e é bem sucedida profissionalmente, apesar de não estar fazendo o que mais gosta. E, como toda mulher que se preze, sonha em um dia finalmente encontrar o amor de sua vida.

Alice é advogada, tem uma carreira brilhante como defensora pública, mas em compensação uma vida amorosa desastrosa. Conhece todos os lugares mais badalados da região, todos os bares e várias pessoas influentes, porém nunca se apaixonou.

Ruby é na maior parte do tempo depressiva. Sua grande paixão era Ralph, seu gato que faleceu, levando-a ao fundo do poço da depressão e deixando-a profundamente sentimental e receosa em relação ao amor. Ela chora inconsolável por longos 3 meses, já que sua única confiança nos homens já não existe mais.

Serena é toda zen, fã de sons do meio ambiente e também trabalha para um casal de famosos como cozinheira. É muito amada pelos patrões, mas infelizmente não consegue arrumar um namorado e não vê problema algum em estar a 4 anos sem sexo.

Georgia é mãe de dois filhos pequenos e recém separada. Seu ex-marido a trocou por uma professora de samba brasileira bem mais nova - sabe aquela história de trocar uma de 40 por duas de 20? - e ela ainda não sabe como lidar com a recém solteirice, mas tudo o que mais quer é voltar à ativa.

Tudo começa quando Georgia, a nova solteira do pedaço, resolve pedir ajuda a sua amiga Julie para mostrá-la como se divertir no mundo das solteiras. Julie, então, chama suas outras 3 amigas para acompanhá-las em uma noite de mulheres, para mostrar a Georgia que apesar da idade elas podem sim, se divertir como se fossem jovens garotas de 20 e poucos anos.
Depois que a noite se torna um verdadeiro desastre, com destaque para Georgia bêbada subindo no balcão de um bar e dançando sem blusa, elas repensam suas vidas e decidem que é hora de mudar de comportamento.
"Mas Alice sabia de uma coisa que nós duas não tínhamos idéia.
- Ah, meu Deus, tem uma mesa de totó ali ! - disse Alice, um pouco animada demais.
- Eu não jogo totó - disse Serena, já carrancuda.
- Acha que devemos ir para outro lugar ? - perguntei, ignorando a história do totó.
- Não, você não está entendendo. É uma verdade absoluta que um grupo de mulheres não consegue jogar totó por mais de dez minutos sem que homens venham jogar com elas.
- Passou muito tempo provando essa teoria ? - indaguei, em tom reprovador. Por acaso contei a vocês que Alice era uma advogada que defendia os direitos dos fracos e oprimidos, fazendo-os sentir respeitados e ouvidos, geralmente na pior época de suas vidas ?
- Sim. E vou provar a você agora.
Então pegamos nossos drinques e fomos até a mesa de totó. Alice e eu jogamos enquanto Serena olhava o relógio. Passaram-se extamente três minutos e meio até dois caras virem até a gente. Nos quatro minutos e meio, eles nos desafiaram para uma partida.
Alice me assusta às vezes. "
Cansada de ouvir sempre a mesma pergunta ("Por que você ainda está solteira?") Julie decide investir em sua idéia de publicar um livro sobre como ser solteira e suas culturas pelo mundo e, depois de fazer um acordo com a editora em que trabalha, ela arruma as malas e parte para viagens sem destino certo.
Passando pela França, onde conhece um francês apaixonante - e casado! -, Roma, China, Bali, Austrália e até mesmo pelo Brasil, Julie conhece diversas pessoas solteiras e vai acumulando informações sobre amor e paixões por diversos países. E já que, para Julie, não existem mais homens solteiros dispostos a ter um relacionamento com mulheres maduras, ela parte pelo mundo com o objetivo de descobrir como as solteiras estão levando essa situação.

Além das aventuras de Julie - que nem sempre está sozinha, acompanhamos também as aventuras de suas amigas que algumas vezes fazem companhia a Julie em suas viagens. Alice, depois de se demitir e se dedicar exclusivamente e a conhecer homens, conhece Jim e ele parece ser o cara perfeito. O problema: ela não está apaixonada e não sabe o que fazer. Georgia vai a vários encontros, mas nenhum deles dá certo e ela percebe que existem coisas mais importantes do que a vida de curtição. Serena muda até de religião, passa a estudar hinduísmo, se apaixona e se decepciona na mesma medida e muda radicalmente. E Ruby percebe que existe solução para toda a sua melancolia.
"- Não leu aquele estudo que acabaram de fazer na Inglaterra? Quanto mais inteligente você é, menos chance tem de arrumar um cara. As garotas burras estão conseguindo todos os homens.
- Então você diz que faz limpeza de pele para sobreviver, em vez de dizer que é uma advogada que se formou como notas máximas em Harvard?
- Digo, e funciona."
Em uma leitura gostosa e divertida, conhecemos situações diversas e vemos como é interessante saber um pouco mais sobre cada cultura que existe. Homens casados e seus relacionamentos abertos, mulheres extremamente sentimentais e dramáticas, casamentos arranjados pelos pais, mulheres bem sucedidas que não pensam em compromisso, e muitas outras formas de demonstrar como o amor é visto por outras pessoas.
Adorei ver o Brasil citado no livro, pena que aqui tudo ainda é muito ridicularizado e promíscuo, como as cenas nas escolas de samba e na Lapa. E definitivamente torci para um final feliz e romântico para Julie. =P

O livro não é auto-ajuda, como podem pensar, e sim extremamente hilário e igualmente trágico, ao nos mostrar como ser solteira pode ser difícil em se tratando da trágica realidade para mulheres bem sucedidas e experientes na faixa dos 40 anos, ou apenas uma opção de escolha pessoal para cada um.

Liz Tuccillo é coautora de Ele Não Está Tão A Fim de Você e foi roteirista da série Sex and the City.
Por essas e outras, vale muito a pena ler esse livro. Recomendadíssimo! =D

Compre agora!


Nível do vício: 

10 Comentários

  1. Menina parece ser mt bom mesmo esse livro. No começo achava q ele era um auto ajuda. Parece ser tão legaaaal esse negócio dessas viajando o mundo para conhecer mais sobre os costumes das solteiras. Sobre o Brasil ser ridicularizado, vou me irritar nessa parte do livro com certeza, né??? hehehe
    Morri de rir com o começo da resenha vc dizendo que o Fabiano abriu a correspondência. kkkkkkkkkkk Deve ter sido engraçado quando tu chegou em casa en?
    Muito boa a resenha, com certeza irá convencer as pessoas a lerem esse livro.

    ResponderExcluir
  2. achei supe bacana a idéia do livro e to muito afim de ler. deve ser uma comédia, principalmente se tiver alguma coisa mínima que seja de sex and the city XP realmente, a gente quebra a cara a vida inteira só pra depois descobrir que não tem fórmula pra essas coisas. mas que não custa tentar aIUHAuahIUAh

    ResponderExcluir
  3. Oi, Michelle.

    Não conhecia esse livro e amo esse gênero.

    Como a Karina disse acima, também não gosto quando ridicularizam nosso país! É lamentável esse tipo de coisa.

    Fiquei imaginando a cara do seu marido, quando viu esse livro. Deve ter sido engraçado! (risos).

    Adorei!

    Está na minha lista, que aumenta cada vez mais.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Mi, não conhecia esse título, mas acho que o livro é para mim, kkkk, sou solteira!! Mas não tenho 40 anos, hahaha

    Gostei da seu resenha, vou adicionar o titulo na lista de leitura

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Aaaah, eu estou SUPER afim de ler esse livro.
    E as vezes penso se não estou fazendo algo errado também, hahaha. (acho que todo mundo que é solteiro já pensou isso alguma vez :P)
    Adorei!

    beijos
    Jéssica

    ResponderExcluir
  6. Oi lindinha,não achei meu banner, mas assim que achar coloco seu link viu. Beijocas

    ResponderExcluir
  7. Deve ser super divertido, mesmo eles ridicularizando o Brasil, e mesmo sendo "errado", nós já estamos meio que acostumados com isso né... Tem gente que pensa que isso aqui é só mato... Enfim, AMEI sua resenha.

    Mil beijos.
    @mariaclarabruno
    www.thecoffeesandbooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Bom parece que na verdade o livro fala de como deixar de ser solteira nao? kkkkkk
    Ele deve ser mto legal, e divertido!
    Valeu pela dica.
    Super bj.
    =]

    ResponderExcluir
  9. Amei as informações sobre o livro. Bem adaptado a minha fase atual, hehehehe. Vou tentar comprar para ver se aproveito melhor essa fase....hehehehe. Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Oi,

    Adoorei sua resenha.^.^
    pelo q vc descreve, o livro deve ser realmente mto bom!

    Parabens pelo blog .
    bj. :D

    ResponderExcluir