Título: Elite da Tropa 2
Autor(s): Cláudio Ferraz, Luis Soares Eduardo, André Batista, Rodrigo Pimentel
Ano: 2010
Nº de Páginas: 304
Editora: Nova Fronteira

Sinopse: Elite da Tropa 2 é uma obra de ficção baseada em fatos atuais sobre o crime organizado no Rio de Janeiro. Escrito pelo antropólogo e cientista político Luiz Eduardo Soares - uma das maiores autoridades em segurança pública no Brasil - ao lado de três co-autores que conviveram de perto com a violência na cidade, é a continuação da obra que, lançada em 2006, foi um grande sucesso ao apresentar aos leitores, sob o ponto de vista da polícia, os detalhes das nossas selvagens guerrilhas urbanas. Agora, Elite da Tropa 2 mostra, por meio de uma narrativa fluída e reveladora, os bastidores das verdadeiras máfias brasileiras: as milícias. São histórias verdadeiras e fictícias - cabe ao leitor aplicar os adjetivos a cada episódio e personagem.
Leia o primeiro capítulo.

O que achei: Devo dizer que, mesmo sem ter lido o primeiro livro, gostei muito desse apesar de terminar a leitura de boca aberta e com a sensação de ter levado um tapa da cara. Isso não quer dizer que odiei, pelo contrário, o tapa serviu para abrir os olhos para o lado negro que envolve toda a beleza dessa cidade 'maravilhosa' em que vivo: o Rio de Janeiro.
Quem vê o livro e olha pra capa logo pensa que se trata de uma continuação ou até mesmo a própria história do filme 'Tropa de Elite 2'. Mas estão enganados se pensam que irão encontrar uma história de vida contada pelo Capitão Nascimento ou sobre o BOPE. Aqui, pessoal, a história é bem mais cruel.

- O Flávio Paulino atirou com a neném no colo?
- Matou com a filha no colo, sem se mexer.

Em 'Elite da Tropa 2' a história é narrada por um inspetor da DRACO (Delegacia de Repressão às Ações do Crime Organizado) - nós não sabemos o nome do personagem durante todo o livro e isso é bem interessante - e conta com vários fatos verídicos e fictícios envolvendo corrupção, violência e política do Rio de Janeiro. Resta ao leitor identificar o que é verdade e o que não é.
Logo de início, descobrimos uma cena chocante: policiais sem escrúpulos, incentivados pelo baixo salário que recebem ou apenas por falta de caráter, se envolvem com traficantes e até mesmo políticos em troca de uma boa remuneração, realizando assim, assassinatos e 'queimas de arquivo' sem dó nem piedade. Lendo sobre um assassinato a sangue frio de uma arquiteta em plena Barra da Tijuca a qual o corpo nunca apareceu (se isso te lembra alguma coisa, pode ser mera coincidência - ou não), chego a sentir arrepios ao olhar para os lados e me ver dentro do cenário descrito no livro, o que torna tudo ainda mais vívido e real.

O carro vai para a Lagoa da Barra. O corpo da moça a gente enterra no cemitério dos Galácticos.

As milícias, foco principal da história, infelizmente fazem parte de uma realidade que existe hoje não só no Rio de Janeiro, capital, mas em quase todo o lugar. Policiais, bandidos e políticos se tornam hoje criminosos ainda mais cruéis e sem coração do que um simples traficante que compra e revende drogas. A milícia mata e destrói famílias e se torna um 'comércio' ainda mais ilegal, infiltrados pela própria polícia e políticos que ocupam hoje cargos altos do governo.
Mas é de sentir orgulho daqueles policias que não se deixam levar e trabalham com honestidade para defender os cidadãos de bem, pois mesmo escassos eles ainda existem e dão a vida para que a justiça seja feita. Vivendo no perigo, usando coletes à prova de balas e carros blindados, policiais e testemunhas seguem contra a maré de impunidade e lutam para que os corruptos ocupem o lugar que merecem - a cadeia.

Recobrando a consciência, mas não a lucidez, Eduardo balbuciou qualquer coisa sobre ir à delegacia denunciar a guangue do irmão. Ednardo. (...)
- Então tu vai ver, seu merda. Quero ver tu denunciar alguém debaixo da terra com um tiro nos cornos.

Apesar de ser contada a maior parte pelo inspetor da DRACO, a história também intercala sobre a vida de outras pessoas envolvidas no mundo do crime ou da polícia, do ponto de vista de cada um dos envolvidos, fazendo com que entendamos melhor cada fato que ocorreu. Além disso, o inspetor da DRACO conta através do Twitter, com o usuário apelidado @Dracon1ano, seus pensamentos sobre a milícia e no livro esses pensamentos são descritos como se fossem tweets, em frases de 140 caracteres e tudo! Genial!
(PS: Se quiserem saber como é no livro, adicionem o @Dracon1ano no Twitter e vejam!)

@Dracon1ano: Esse não é um conselho, até porque não acredito em conselhos. É só um alerta. Daqueles que ficam piscando e fazendo barulho a noite inteira. -| Sat, 13 Nov 2010 03:20:00 +0000 |- Read it on Twitter

Os últimos capítulos do livro também contam um pouco de como a história foi feita, como tudo o que está ali tem um pouco de realidade e o trabalho que eles tiveram de coletar tantas informações. Também falam um pouco sobre a inspiração para o Capitão Nascimento das telas do cinema. Vale a pena ler. Muito interessante.

Chocante, polêmico, revelador, 'Elite da Tropa 2' é um livro pra quem tem estômago forte e quer abrir os olhos para a infeliz realidade não só do Rio de Janeiro, mas de todo o país. Recomendo a todos e boa leitura. =P


Booktrailer:


Compre agora!


Nível do vício: 

3 Comentários

  1. Histórias que mostram a realidade sempre são bem-vindas, acho que isso nos faz acordar e pensar..uau esse livro é de verdade, não uma história de ficção!!

    Andy_Mon Petit Poison

    ResponderExcluir
  2. Michelle adoreeeei
    Eu to louca pra ler esse livro. E como comentei com vc quando vc falou sobre essa parte da arquiteta, qualquer semelhando é uma mera coincidência???? Sinistro, né???? Infelizmente policiais não corruptos são raridade hoje em dia. :s
    Infelizmente. Só quem conhece alguém que more na favela pra saber das coisas. É cada barbaridade...
    Eu não acredito q o mundo vá melhorar :s

    ResponderExcluir